paulomarginal

Funky Lagos

Posted in Funk/Soul by paulomarginal on dezembro 30, 2009

Asiko Rock Group da Nigéria. Lagos mais uma vez impressiona com outra banda desconhecida. Não sei nada sobre o grupo e se alguém tiver maiores informações, me mande um email, por favor. Se preparem para faixas como Lagos City e Everybody Get Down, puro deep funk africano que combina perfeitamente com o fim de ano.

Asiko Rock Group – Lagos City

Asiko Rock Group – Solo Mon a Ndoan

*Asiko Rock Group – s/t

Tagged with: , ,

Vodu

Posted in Hip Hop by paulomarginal on julho 24, 2009

Os grooves provenientes do oeste africano são, na maioria da vezes, muito viajantes. Não digo isso de forma pejorativa, a influência do funk americano ofereceu um caminho para que esses músicos liberassem sua criatividade regional. Tudo muito original, com produções meio caseiras mas muito, muito cheias de soul. Não se limitem ao excelente Fela Kuti, tem muita música africana que merece atenção. Hoje vamos ouvir um pouco de Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou, pura doidera africana.

Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou – Se Tche We Djo Mon

No final de 2008, o selo Analog Africa montou uma compilação de 2 volumes da banda. A compilação, chamada The Voudon Effect junta material de ’72 a ’75 e é recheada de Sato e Sakpata, estilos com raízes tribais mas graças ao estilo da Orchestre Poly-Rythmo são extremamente funkeados. O lance é tão funkeado que serviu como sample principal para um remix de um single do Percee P feito pelo genial Cut Chemist. Aliás, o remix, na minha opinião, supera o original do Madlib.

Orchestre Poly-Rythmo de Cotonou – Iya Me Dji Ki Bi Ni

Percee P – Throwback Rap Attack (Lucasflippedaonesidedtapehefoundin1987intostereo Remix)

Tagged with: , , , , ,

Jacarandá

Posted in Funk/Jazz by paulomarginal on junho 9, 2009

Semana passada, fui dar uma garimpada em uns sebos e encontrei o disco Jacarandá do Luiz Bonfá. Infelizmente não tinha a capa, mas por causa disso acabei levando a bolacha pra casa de graça. O disco está disponível em inúmeros blogs e eu recomendo o download ou a compra do LP. Arranjos e regência de Eumir Deodato, percussão de Airto Moreira, baixo de Stanley Clarke, Idris Muhammad na bateria… a parada só tem responsa!

Luiz Bonfá – Empty Room

Lovage – Everyone Has a Summer They Want to Remember

Tagged with: , , ,

Bizarros

Posted in Funk/Soul, Hip Hop by paulomarginal on maio 23, 2009

Voltei a ouvir as gravações do Kool Keith com o Automator e continuo impressionado com essa dupla. O Kool Keith tem seus momentos intensos, mesmo que na maioria das vezes fale muita merda debilóide/juvenil. Seus alter egos são sempre escrotamente provocativos. O Automator criou sons que complementam as letras absurdas do Kool Keith, é só ouvir Dr. Octagonecologyst pra ter uma amostra do Kool Keith sendo um lunático.

Automator feat. Kool Keith – It’s Over Now

Separei o sample usado na música It’s Over Now do EP de ‘96, A Better World do Automator (remasterizado e relançado em 2000 como A Much Better World). Retirado da trilha sonora do filme The Flasher (1973) que aparentemente era sobre gente que curte exposição indecente . O sample em destaque, Sour Soul, é o que mais interessa. Trata-se de uma faixa instrumental lenta, bem funkeada. O resto é interessante também, um psych/funk meio anos 60, vale a pena conferir.

Pool-Pah – Sour Soul

*Pool-Pah – The Flasher OST

Tagged with: , , , , ,

São Paulo Jazz Festival ’78

Posted in Funk/Jazz by paulomarginal on abril 14, 2009

Gostaria de agradecer ao amigo Maurício pela excelente dica. O Grupo Um, formado em ’76, participou de bandas de músicos como Hermeto Pascoal e Egberto Gismonte. Seu primeiro LP, Marcha Sobre a Cidade, foi relançado pelo selo Editio Princeps. No vídeo abaixo é possível sentir a integração e sonoridade da banda, recomendo atenção especial para a participação de Marcio Montarroyos. Doidera.

Vale a pena conferir também a primeira parte da gravação.

Tagged with: , ,

Patrimônio Esquecido

Posted in Funk/Soul by paulomarginal on março 25, 2009

Já me disseram que Arthur Verocai é música brasileira pra gringo, se esse é o caso, eu não sou brasileiro. Os arranjos, a fusão de estilos, tudo é muito bem feito. O primeiro disco, lançado em ’72, é uma viagem que cada vez que eu ouço se torna mais complexa e intrigante. Produtores gringos sampleiam esse disco faz tempo, mas parece que ninguém por aqui se liga. Tá certo que tem disco dele  sendo vendido por mais de 1000 dólares, mas é um absurdo esse cara não ter maior reconhecimento. Seu trabalho conta com uma participação de Carlos Dafé, e já rolaram colaborações com o Airto Moreira e a galera do Azymuth. Verocai inclusive tocou com esse pessoal em Los Angeles no dia 15 de março (o que precisamos fazer pra poder ter mais shows desse tipo por aqui?), tudo organizado pelo pessoal do Mochilla. Caso se interesse por mais informação, sugiro uma visita ao excelente Soul Spectrum.

Arthur Verocai lançou seu trabalho mais recente em 2007, pela Far Out Records. Abaixo uma entrevista, onde ele fala sobre seus discos e discute suas influências.

Arthur Verocai – Presente Grego

Arthur Verocai – Caboclo

Tagged with: , , , ,

Reapresentando Shuggie Otis

Posted in Funk/Soul by paulomarginal on fevereiro 28, 2009

Caso você goste de Sly Stone, The Meters ou até mesmo Stevie Wonder, acredito que o excelente Shuggie Otis facilmente entrará na sua lista de favoritos. Essa figura, filho do conhecido Johnny Otis, gravou com inúmeros monstros como Al Kooper, Cal Tjader, Frank Zappa e ainda era amigo do Arthur Lee da banda Love. Não posso esquecer de mencionar que a carreira dele começou quando tinha somente 15 anos! O lado bizarro da história é que poucos anos depois, sua carreira aparentemente acabou. Após gravar o inesquecível Inspiration Information, Shuggie não lançou mais nenhum outro disco solo.  Além disso, recusar um convite para fazer parte dos Rolling Stones e mandar um não para outro convite de Buddy Miles não deve ter ajudado muito. Parece que houveram muitas razões para isso acontecer, não sei o que rolou, deixo isso pra vocês pesquisarem.

Shuggie Otis – Sweet Thang

O que importa mesmo é o que ele produziu. Inspiration Information parece tão experimental quanto bem resolvido. Para quem precisa de uma referência mais próxima, J Dilla sampleou Not Available em Donuts, assim como o Diggable Planets usou Island Letter na música For Corners. O selo Luaka Bop do guitarrista do Talking Heads, David Byrne, relançou esse grande disco e é muito bom ver que ainda existe gente que busca coisa diferente. Corram atrás dos discos desse cara, vale a pena.

Shuggie Otis – Strawberry Letter 23

Tagged with: , ,